Unhas de Novembro

by Heitor Dantas

supported by
/
  • Streaming + Download

    Includes high-quality download in MP3, FLAC and more. Paying supporters also get unlimited streaming via the free Bandcamp app.

      name your price

     

1.
2.
02:02
3.
4.
03:03
5.
6.
7.
03:42
8.
03:18
9.
10.
03:12

about

Novembro. Membro sem unha.
Contrapunha, mesmo sem punho, lúnula convexo.
Complexo.
Membrana, lâmina ungueal, sobrepunha á sobra, punha-se completo.
Compunha de queratina: aspargito, ácido glutâmico e aspártico. Explêndido!
Enquanto novembro expunha o trânsito. Testemunha em transe. Transpunha a réplica.
Paroníquia ímpar, impunha à aspargina, unha sem membro. Depunha sem medo, depois de Novembro.
Depois do eponíquio: polegar oposto, opunha ao médio. Médico sóbrio, sobra da alcunha, contrapunha ao mínimo à sombra da República.
Dia indicador, pressupunha opôr, onicofagia e pressa ao comparsa jus. Justapunha impressa, expunha o supérfluo.
Membro. Novembro sem unha. Novo computar.
Unhas de Novembro? Espinho Anelar.

credits

released July 8, 2013

Heitor Dantas: músicas/letras, arranjos, violão aço/nylon e voz
Coro por Heitor Dantas e Zuza Caitano
Produzido e Mixado por Heitor Dantas entre maio e julho de 2013 no Laboratório de RTV da Unifacs.
Masterizado por Heitor Dantas no Estúdio Menasnota.
Arte por Glauber Guimarães: glauberovskyorchestra.blogspot.com.br

tags

license

about

Heitor Dantas Salvador, Brazil

I started as a musician and teacher of guitar and music theory in 2001. In 2004 I joined the Federal University of Bahia studying composition. In 2007 I did the course Fundamentals of Audio and Acoustics in IAV (SP) and since then I've been producing, recording and mixing albums, soundtracks for dance, theater and cinema advertising and making live PA events. ... more

contact / help

Contact Heitor Dantas

Streaming and
Download help

Track Name: A Polícia da Dúvida
A polícia da dúvida

Tá de banho tomado
Tá morrendo de medo
Tá virando piada de botequim
Tá com a perna quebrada e foge de mim
Quando vai fazer feira já é normal
Deve ser brincadeira

Deve ser paralisante
Vá com Deus, segue o Caos
Era pra ver cê gargalhar
Paz
Track Name: Delilírio
Delilírio, lírio delirável
Doses de conhaque, dúzia
Contramão

Faz careta, próxima parada
Vespertina, fino DDD

Delilírio!!!

Delilírio, crivo triturado
Leque de recado, 11 da manhã
Frente fria, cálculo binário
No molejo vou pagar pra ver
Track Name: Mesmo Sem Direção
Enquanto Deus trabalha a gente faz churrasco
Contando com a sorte e fé

Enquanto a gente nasce as ovelhas dormem
Imitando Arthur Rimbaud

Now
I wait for the sign from
Now
Entramos de vez
No Tao
Acaba a pilha
Tchau
Que maravilha
Nem
Uma armadilha
Quem
Tá em todo lugar

Não tem hora marcada nem se for preciso
Se enterrar dentro do chão
Mesmo sem direção
Mesmo sem direção

Depois do passatempo onde se esconderam
Os pedaços do limão??
Track Name: Tem
Tem
Tem que existir
Tem que ser campeão
Tem que provar que pode, sim
Tem que entender o que de fato aconteceu
Tem que cuspir, bater, jogar, entrar de vez no hall
Tem que ter terno, éter, querosene, goma de mascar

Tem que marcar a área já contaminada, separar da clara
Tem que coser a malha do perdão, da falha, discutir o teto dos ladrões

Tem que crescer a massagada parda, kamikase, fraude, exagero junkie, abre o show da tarde, canto pra ninguém

"Necessitamos de alguma coisa muito mais profunda, muito mais relevante, e o homem sempre esteve a perseguir, a buscar essa coisa nos tempos, nas reformas, por meio de toda uma variedade ditos sociais e sanções religiosas. Temos percorrido todas as galerias desse labirinto. Prestando atenção a essa situação percebemos claramente que não chegamos à parte alguma e, sim, caimos invariavelmente numa espécie de desespero. E nesse estado ficamos vivendo, a racionalizar nosso desespero, a dar-lhe um significado intelectual. Ou ainda aceitamos crenças tradicionais, retrocedemos ao passado, e nesse refúgio ficamos vivendo como cegos, sem pensar, sem duvidar, a aceitar, porque isso nos proporciona consolo e aquieta a mente indagadora."*

Tem


*texto de J. Krishnamurti
Track Name: As Paredes do Hall
Olha que eu estive lambendo
As paredes do hall
As paredes do hall
As paredes do hall

Mas é que eu estive encucado
Com as paredes do hall

O hall é feito de giz
Aos poucos pode quebrar
As paredes do hall
As paredes do hall
As paredes do hall
As paredes do hall
Pra que possamos descansar


Tive contando os tijolos
Das paredes do hall
Das paredes do hall
Das paredes do hall
Track Name: Muito Demais
Espreita as mães
Paranormais
Dos motoboys
A circular

Nós croissants
Basquiat
James Joyce
Glauber Ró
John Coltrane

Dá peito as mães
Dá peito as mães


Estou confuso mas Confúcio também era
Estou com um olho na esfera outro na esmola
De hora em hora o de agora tá por fora
E a meretriz mais que nós é bem feliz
Posso te ajudar a recolocar a tampa do frasco onde devia?
Lá vai Maria fofocar na livraria
Tô sonolento mas Sêneca também tava
Tô cem porcento mas também tô sem palavra
Isso é capricho, bicho
Tudo isso é fictício
Tá na cabeça, sem GPS, tá por detrás
Aconteça o que aconteça ao que parece é muito demais

Muito demais...

Me coloco ao seu dispor
Lixo as unhas de novembro pra abrandar
Quem não teme a própria sorte não esquece a direção
Track Name: Homenzinho
Homenzinho, homenzinho
Debaixo da terra
Pela porta espia
Pela morte espera
Quando ama espirra
Quando amado emperra
Xerocar
Quem dá mais?

Homenzinho, homenzinho
Sobre a carne seca
Bate em retirada

Bóia no tempo
Caça animais
Sangue, fermento
Dentro e fora
Coagular o que for
Difícil pensar


Tá desatento
Vai a Plutão
Seu passatempo é
Dar com os dentes
Na escuridão e gritar
Por religião


Homenzinho, homenzinho
Homenzinho, homenzinho
Homenzinho, homenzinho

Little man, dirty man
Little, dirty, rubble man
Little man, busy man
Little, busy, funny man
Little man, boring man
Little, boring, fatty man
Little man, jealous man
Little, jealous, ugly man


Homenzinho, homenzinho
Entre as aspas sujas
Matando as formigas
Ao redor do prato
Enxota as galinhas
Conta os guardanapos
Atacar
Viva os sais
Mirenais
Quem de nós?
Track Name: João Normal
João Normal
Filho da Senhora Norma
Natural
Pai de Normalito
Irmão de Normando
Viver requer onde e quando

João Normal
Orgulhoso sobrenome
Surreal
Já nasceu aflito
Vai morrer tentando
Ser bandido nesse bando

De tão normal se complicou
"Prazer, me chamo Mondrian"
Podia ter sido robô
E cuidar
Do jardim
Mas quizá
Só assim
Estará
Dentro de si

Pra quem ainda não sacou
João Normal nunca existiu
Ele é uma parte do que sou
Louco e são
Bem e mal
Quer feijão
Quer know how
E gritar
A todo vapor
Sou isso que sou